Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/2835
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorViola, Eduardo-
dc.date.accessioned2017-01-12T15:46:32Z-
dc.date.available2017-01-12T15:46:32Z-
dc.date.issued2014-
dc.identifier.isbn978-989-8191-62-5-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11144/2835-
dc.description.abstractO grande desafio para a humanidade no século XXI é a governança das fronteiras planetá- rias, a criação de um novo ponto de equilíbrio no sistema terrestre após décadas de interferência antrópica perigosa. A abordagem das fronteiras planetárias tem origem no trabalho de Rockström e rapidamente se tornou referência nas ciências naturais. A proposta é uma nova abordagem da sustentabilidade global em que são definidas fronteiras planetárias dentro das quais a humanidade pode operar de forma segura. A narrativa parte do diagnóstico de que o planeta entra numa nova era: o Antropoceno, onde os humanos são o principal vetor de mudança do sistema terrestre. Essa pressão antrópica ameaça desestabilizar sistemas biofí- sicos críticos e causar mudanças ambientais irreversíveis que podem ser deletérios ou catastróficos para a vida humana. Nesse marco, quais são as pré- condições planetárias inegociáveis que a humanidade necessita respeitar para evitar o risco dessas mudanças em nível global? Como resposta, identificam-se primeiro processos-chave do sistema terrestre e se quantifica para cada um deles um nível de fronteira que não deve ser ultrapassado caso se queira evitar uma mudança ambiental global inaceitável. As nove fronteiras são: mudança do clima, acidificação dos oceanos, degradação da camada de ozônio estratosférico, ciclo do nitrogênio e do fósforo, biodiversidade, uso de água doce, uso da terra, carga de aerossóis atmosféricos e poluição química. Segundo os autores, três fronteiras já foram ultrapassadas: ciclo do nitrogênio, biodiversidade e mudança do clima (Rockström et al., 2009). O sucesso dessa tarefa se torna improvável sem elevados níveis de cooperação internacional e transnacional, já que a definição de um espaço seguro de operação para a humanidade é por natureza um global common1 (Viola e Franchini, 2012).por
dc.language.isoporpor
dc.publisherOBSERVARE. Universidade Autónoma de Lisboapor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectAmbientepor
dc.subjectclimapor
dc.subjectpolíticapor
dc.titleImpasses na governança da mudança climáticapor
dc.typearticlepor
degois.publication.firstPage14por
degois.publication.lastPage15por
degois.publication.locationLisboapor
degois.publication.titleJANUS 2014 - Metamorfoses da violência (1914-2014)por
dc.peerreviewednopor
dc.relation.publisherversionhttp://janusonline.pt/images/anuario2014/1.3_EduardoViola_MudancaClimatica.pdfpor
Appears in Collections:OBSERVARE - JANUS 2014 - Metamorfoses da violência (1914-2014)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
1.3_EduardoViola_MudancaClimatica.pdf196,46 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.