Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/4238
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorLobo, Inês-
dc.contributor.advisorMoreno, Joaquim-
dc.contributor.authorChiesa, Michele-
dc.date.accessioned2019-06-21T11:31:50Z-
dc.date.available2019-06-21T11:31:50Z-
dc.date.issued2019-04-30-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11144/4238-
dc.description.abstractO espaço público é protagonista do debate que, no passado e ainda hoje, diz respeito à cidade e, nomeadamente, à vida da cidade. Esta especificação é fundamental na abordagem da hipótese que se apresenta neste trabalho. Neste âmbito, seria simplista pensar na cidade apenas em relação à arquitetura do espaço construído. O uso do espaço da cidade é um conceito que introduz assim o sujeito que a confronta. Por isso, é cada vez mais difícil no cenário contemporâneo, perceber o papel e as caraterísticas (ideais e reais) que definem o espaço da cidade na sua aceção de público. Principalmente porque, como aprendemos com os ensinamentos da história, o espaço público é um reflexo da sociedade em contínua transformação e retrata as suas caraterísticas mais salientes. Um rápido percurso sobre a evolução do conceito de espaço público urbano permite esboçar o quadro temporal no qual esta pesquisa se insere. A primeira parte desta reflexão tem como objetivo investigar a crise que assola o espaço público e, logo a seguir, analisar o impacto que algumas experiências tiveram na sua reconquista. Seguindo o exemplo que Venturi nos dá ao analisar as novidades que Nolli introduziu e que ainda hoje são atuais, queremos aprofundar o limite entre o público e o privado, aproveitando os conceitos desenvolvidos por Habermas e reinterpretados nas aulas práticas de Hertzberger. Em seguida, identificamos duas principais caraterísticas que distinguem uma nova leitura do espaço público, que se torna uma ferramenta ativa na abordagem das criticidades urbanas. Para concluir, focamo-nos no espaço público como ideal do bem comum, já expresso de modo eficaz no trabalho de Lorenzetti. Sugestões para o desenvolvimento da proposta dum novo espaço público para Lisboa compõem esta “Allegoria scomposta dello spazio pubblico” com o intuito de abrir uma questão complexa sem a reduzir ou sem a encerrar num conceito.por
dc.description.abstractLo spazio pubblico è protagonista nel dibattito che, in passato e ancora oggi, riguarda la città e in particolare la vita della città. Questa specificazione è fondamentale nell’approccio all’ipotesi che si presenta in questo lavoro. Sarebbe riduttivo, pensare la città solo per ciò che riguarda l’architettura del costruito: il concetto di uso dello spazio della città introduce, infatti, un soggetto che con essa si confronta. Per questo motivo, è sempre più difficile nello scenario contemporaneo capire il ruolo e le caratteristiche (ideali e reali) che definiscono questo spazio e nel particolare la sua accezione pubblica. Questo perché, la storia ce lo insegna, lo spazio pubblico è riflesso della società in continua trasformazione e di essa racconta i tratti più salienti. Una rapida visione dell’evoluzione del concetto di spazio pubblico urbano apre al quadro di riferimento temporale (dagli inizi del XX secolo ad oggi) su cui l’indagine si concentra. Nelle prime riflessioni, si parte dal voler capire la crisi che affligge lo spazio pubblico per poi indagare l’impatto che alcune esperienze hanno avuto nella sua riconquista. Seguendo l’esempio di Venturi sulle novità che Nolli ha introdotto e che ancora oggi risultano attuali, si vuole approfondire il limite tra pubblico e privato, approfittando dei concetti sviluppati da Habermas rilessi nelle lezioni pratiche di Hertzberger. Si individuano, poi, due principali caratteri che contraddistinguono la base di partenza per il nuovo spazio pubblico, che diventa strumento attivo di riqualificazione nell’affrontare le criticità urbane. In conclusione, si pone l’accento sull’ideale di spazio pubblico come bene comune che ritroviamo già nell’opera di Lorenzetti. Spunti di riflessione alla proposta di un nuovo spazio pubblico per Lisbona, che costruiscono questa “Allegoria scomposta dello spazio pubblico” con l’intento di aprire una tematica complessa senza ridurla o chiuderla in un concetto.por
dc.language.isoitapor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectespaço públicopor
dc.subjectespaço privadopor
dc.subjectbem comumpor
dc.subjectlugarpor
dc.subjectalegoriapor
dc.subjectspazio pubblicopor
dc.subjectspazio privatopor
dc.subjectbene comunepor
dc.subjectluogopor
dc.subjectallegoriapor
dc.titleAllegoria scompostadello spazio pubblicopor
dc.typemasterThesispor
thesis.degree.nameDissertação de Mestrado em Arquitecturapor
dc.identifier.tid202249964por
Appears in Collections:DA - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Michele Chiesa.pdf74.32 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.