Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/3293
Title: Será possível reconstruir a Aliança Ocidental em torno de um Eixo Verde e Climático?
Authors: Soromenho-Marques, Viriato
Keywords: Diplomacia Ambiental
Protocolo de Quito
alterações climáticas
relações UE-EUA
Issue Date: 18-Nov-2011
Publisher: OBSERVARE. Universidade Autónoma de Lisboa
Abstract: A diplomacia do clima, enquanto componente crucial da política ambiental global estratégica, deve ser medida em função dos dados empíricos e crescente evidência que nos permita uma pequena janela de oportunidade entre 2015 e 2020 para atingir o pico de emissão de gases de efeito de estufa, se queremos evitar um aumento catastrófi co da temperatura média global acima dos 2º C. Um papel menor dos EUA no acordo de partilha de encargos poderá prejudicar seriamente a possibilidade de usar essa janela de oportunidade em tempo útil. As decisões difíceis constituem normalmente o preço a pagar pela liderança. Ninguém no mundo, à excepção da UE – caso a crise da “dívida soberana” se torne um mero problema do passado recente – está actualmente em condições de liderar a tarefa vital de combater as alterações climáticas a nível global. A UE deve esgrimir razões robustas a favor de uma forte redução de emissões nos países desenvolvidos dentro de uma política ampla que inclua uma vasta gama de outras medidas, tais como o investimento em novos sistemas de energias renováveis, efi ciência energética, disseminação de nova tecnologias chave, capacitação, combate à desfl orestação, adaptação efi caz, etc. A EU deveria colocar o princípio da equidade em pé de igualdade com o de fl exibilidade. Contudo, o pior cenário que se nos coloca é a possibilidade de prolongamento infi nito, para além de 2012, de uma guerra diplomática de trincheira sobre a partilha de encargos. Nesse terrível cenário, até o desmantelamento da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas e o retorno a uma situação climática Hobbesiana de “guerra de todos contra todos”, não é de todo impossível. Nesse caso, compete à União Europeia, no exercício da sua responsabilidade de liderança, decidir se o princípio de fl exibilidade não deverá prevalecer sobre o princípio de equidade, a curto prazo, de forma a evitar um desastre total na diplomacia do clima global.
Peer Reviewed: yes
URI: http://hdl.handle.net/11144/3293
ISBN: 978-989-8191-53-3
Publisher Version: http://observare.autonoma.pt/conference/images/stories/conference%20images%20pdf/S2/Viriato_S_Marques.pdf
Appears in Collections:I CONGRESSO INTERNACIONAL DO OBSERVARE

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Viriato_S_Marques.pdf216,81 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.