Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/1896
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorGalinha, Iolanda Costa-
dc.contributor.authorPais-Ribeiro, José Luís-
dc.date.accessioned2015-10-27T16:48:16Z-
dc.date.available2015-10-27T16:48:16Z-
dc.date.issued2005-
dc.identifier.issn1645-0086-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11144/1896-
dc.description.abstractO artigo é uma revisão de literatura que pretende expor os movimentos Sócio-históricos, ao longo dos quais evoluiu o conceito de Bem-Estar Subjectivo. A abrangência do conceito coloca-o numa posição de intersecção de vários domínios da Psicologia, designadamente, a Psicologia Social, a Psicologia da Saúde e a Psicologia Clínica. A história do conceito, analisada por diferentes investigadores, aponta heranças históricas distintas, relacionadas com a convergência de origens teóricas distintas. Nesse sentido, identifica-se uma primeira herança nos movimentos sociais inspirados no Iluminismo e no Utilitarismo, que impulsionaram a investigação na área da Qualidade de Vida. Uma segunda herança, relaciona-se com os desenvolvimentos no campo da Saúde, designadamente, a 2ª Revolução da Saúde, na década de 70, cujos princípios centrais consistiram em defender o retorno a uma perspectiva ecológica na Saúde e mudar o enfoque das questões da doença para as questões da Saúde. Recentemente, a Psicologia Clínica vem abraçar o conceito de Bem-Estar Subjectivo, no contexto da chamada Psicologia Positiva. Qualquer das heranças Sócio-históricas contribuiu para o desenvolvimento da investigação na área de Bem-Estar Subjectivo, nas suas várias facetas e aplicações. Paralelamente, o conceito de Bem-Estar Subjectivo evoluiu através de limites difusos, atravessando dois momentos críticos na sua definição: a distinção Bem-Estar Material versus Bem-Estar Global; e, a distinção Bem-Estar Psicológico versus Bem-Estar Subjectivo. Definimos o Bem-Estar Subjectivo, como é entendido actualmente, a partir dos principais investigadores da área e observamos um consenso na aceitação de uma dimensão cognitiva e de uma dimensão afectiva do conceito. Estas dimensões, constituem elas mesmas conceitos abrangentes, domínios de estudo – o conceito de Qualidade de Vida e o conceito de Afecto. Alargámos ainda a definição do Bem-Estar Subjectivo, enquanto campo de estudo, aos critérios científicos definidos pelos investigadores da área.por
dc.description.sponsorshipTrabalho financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia -BD /8336/ 2002.por
dc.language.isoporpor
dc.publisherSociedade Portuguesa de Psicologia da Saúdepor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectBem-estar subjectivopor
dc.subjectHistóriapor
dc.subjectEvoluçãopor
dc.subjectDefiniçãopor
dc.titleHistória e evolução do conceito de bem-estar subjectivopor
dc.title.alternativeHistory and evolution of the concept of subjective well-beingpor
dc.typearticlepor
degois.publication.firstPage203por
degois.publication.lastPage2014por
degois.publication.titlePSICOLOGIA, SAÚDE & DOENÇASpor
dc.peerreviewedyespor
Appears in Collections:BUAL - Artigos/Papers
CIP - Artigos/Papers
DPS - Artigos/Papers

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
História e evolução do conceito de BES.pdf105,39 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis Logotipo do Orcid 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.