Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/661
Title: A Instrução Militar Preparatória como Escola de Patriotismo na 1.ª República
Authors: Fraga, Luís Alves de
Keywords: Portugal
República Portuguesa
Juventude
Instrução Militar
Exército
Guerra
Issue Date: May-2012
Publisher: Instituto de História Contemporânea da FCSH da Universidade Nova de Lisboa
Abstract: A mudança política ocorrida em Outubro de 1910, em Portugal, pretendeu configurar, também, uma alteração no regime militar nacional. A ideia de Nação em armas implicava a reforma de mentalidades, especialmente as masculinas, de modo a gerar um sentimento geral de patriotismo, criando uma simbiose entre República e Pátria. O patriotismo seria o respaldo dos republicanos tal como o cidadão armado seria o defensor da Pátria: uma Pátria necessariamente republicana. Num país onde os alfabetizados não iam além de 25% da população impunha-se encontrar processos expeditos para conseguir adesão das massas mais ignaras às ideias de Pátria e, especialmente, de República e de Nação em armas. O republicanismo tinha de ser a continuação coerente de uma Pátria com quase oitocentos anos de Monarquia ao mesmo tempo que era a esperança num futuro diferente, moderno e esclarecido. Para conseguir este desiderato num curto espaço de tempo havia necessidade de usar o único aparelho capaz de mobilizar a população masculina desde a mais tenra idade até ao tempo das dificuldades motoras, das maleitas e dos achaques: as Forças Armadas e, em especial, o Exército. Por este motivo, uma das mais prementes reformas que o Governo Provisório levou a cabo foi a do Exército, abandonando a feição semi-profissional que tinha no tempo da Monarquia, transformando-o no ponto de passagem de todos os cidadãos com idade de prestação de serviço militar. O serviço à Pátria tornou-se obrigatório e inalienável para todos os mancebos aptos a cumprirem o seu dever de cidadãos. Sendo uma obrigação era, acima de tudo, um direito que deveria ser exercido por sentido de pertença ao agregado nacional. Contudo, a necessidade de acelerar o processo de modificação de mentalidades não poderia ficar dependente do jovem ter idade para ingressar nas fileiras: era preciso que o serviço militar surgisse na altura própria como a consequência de uma evolução iniciada ainda em criança. Ou seja, o sentido de cidadania teria de crescer enquanto o cidadão crescia para a Pátria e para a República. Para que assim acontecesse o Governo Provisório após e na sequência da reforma da organização militar estabeleceu, como instrumento obrigatório de enraizamento da consciência nacional, a Instrução Militar Preparatória. É sobre ela que o nosso trabalho se debruça para mostrar como esse aparelho de alteração de mentalidades pretendia conciliar a preparação física dos jovens com a instrução militar, patriótica e republicana que os levasse ao serviço no quartel no momento certo e pelas razões republicanas correctas. A nossa exposição far-se-á apoiada em três pontos fundamentais: o patriotismo como respaldo dos republicanos; a defesa nacional e a República; e o enquadramento básico da Instrução Militar Preparatória.
Peer reviewed: no
URI: http://hdl.handle.net/11144/661
Appears in Collections:DRI - Comunicações em conferências
BUAL - Comunicações em conferências

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
A Instrução Militar Preparatória como escola de patriotismo.pdf50.25 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.