Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/432
Title: Risco sistémico – análise integrada das suas causas, consequências e métodos para o prevenir.
Authors: Alves, João Magalhães
Orientador: Morais, Henrique
Keywords: risco
sistémico
regulação
supervisão
crise
Issue Date: 16-Jul-2014
Abstract: O risco sistémico conduz, por norma, à maioria das crises e é um considerável desafio por diversas e variadas razões. Detetá-lo com alguma confiança não é fácil e ainda mais difícil é provar que existe. Prever o exato momento para a ocorrência de uma crise ainda está, e provavelmente estará por mais algum tempo, fora do nosso alcance. As crises costumam ocorrer sem aviso prévio. Transparência, confiança, credibilidade, regulação e supervisão. São estas as palavras chave para a ocorrência ou não de uma crise financeira que tanto pode ser limitada, como pode ser sistémica. Confiança e credibilidade, para que os agentes financeiros (bancos e instituições do mais variado tipo) sejam capazes de captar as poupanças geradas na economia. Regulação e supervisão, para que as relações entre os agentes que atuam no sistema financeiro e os seus utilizadores (investidores, depositantes) sejam claras e tenham regras definidas que todos conhecem e que são objeto de avaliação e validação do seu cumprimento. Torna-se necessário deixar a mensagem de que quem não cumpre é penalizado. Este trabalho tem como objetivo identificar as eventuais causas das crises financeiras, os eventuais riscos sistémicos que lhes possam estar associados e de que forma os mecanismos e regulamentos associados à regulação não foram cumpridos e a atuação da supervisão não foi eficaz, provocando a atual situação, que perdura desde 2008. Num contexto em que a supervisão falhou, perdeu-se a confiança e deixou de existir credibilidade. Os modelos que irão ser analisados apontam para o risco de ocorrência da chamada “corrida aos bancos” face à perceção que o investidor/depositante tem da iminência,verdadeira ou aparente, de uma crise financeira sistémica e de que a recuperação dos seus ativos pode estar em risco. A solução, aparentemente, consistiu em apertar ainda mais a regulação e criar novos organismos/mecanismos de supervisão. Mas, o problema nunca foi a inexistência de regulação. A regulação não é o bálsamo para todos os problemas. Como complemento, necessitamos de um supervisor global para a prevenção do risco sistémico que pode ser uma ameaça para o sistema financeiro, também este, a nível global. Se não houver atuação (supervisão com verdadeira capacidade de atuação na prevenção e, se necessário, na punição) firme e mão pesada para os infratores, a credibilidade não será restaurada e por contágio a confiança não regressará com a rapidez desejada.
Peer reviewed: no
URI: http://hdl.handle.net/11144/432
Appears in Collections:DCEE - Dissertações de Mestrado
BUAL - Dissertações de Mestrado



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.