Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/3468
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorBrites, Rute-
dc.contributor.authorKassongo, Aurora Chaciza Junior-
dc.date.accessioned2018-03-02T10:22:24Z-
dc.date.issued2018-02-06-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11144/3468-
dc.description.abstractO presente estudo trata-se da validação da Escala de Evento Traumático – Parto (Traumatic Event Scale, de Wijma, 1999, 2012), na realidade das mulheres angolanas , na medida em que a gravidez e o nascimento de um filho podem ser fases críticas que envolvem vários reajustes a nível individual e familiar e que merecem atenção do ponto de vista centífico. Para a concretização desse objetivo usámos, para além do questionário sociodemográfico, a escala TES (Traumatic Event Scale, de Wijma, 1999, 2012), ambos traduzidos e validados para a população Angolana, numa amostra de 150 participantes, mulheres com filhos recém-nascidos. As participantes da investigação, 61.4% (n= 92) são casadas ou vive maritalmente. Cinquenta e oito (38.7%) são solteiras. Quanto à escolaridade, verifica-se que cerca de metade das participantes as maiores possuem o nível médio ou superior de ensino (52%). Vinte e cinco participantes têm o ensino básico (16.7%), 30 (20%) o segundo nível e 17 (11.3%) o terceiro nível de escolaridade. No que se refere à profissão, destacamos aquelas que representam maior percentagem, ou seja, 45% (n= 67) responderam que são domésticas e 18% responderam que são estudantes (n= 27), o que representa na totalidade da amostra 63%. Quanto ao tempo de trabalho de parto, no caso das participantes com partos eutócitos, a maioria demorou menos de 3 horas (n = 89, 59.33%). As participantes que realizaram cesarianas (programadas e de urgência), em 81.25% dos casos (n= 26), o tempo de trabalho de parto não excedeu uma hora. Em cerca de 80% dos casos (n=112), não houve qualquer medida de redução da dor de parto. No período em que decorreu o estudo, verificou-se que 47 (31.33%) das participantes estavam a ter o seu primeiro filho, enquanto 103 (68.67%) já tinham outro (s) filho (s).por
dc.language.isoporpor
dc.rightsembargoedAccesspor
dc.subjectPTSDpor
dc.subjectvalidaçãopor
dc.subjectescala de Evento Traumáticopor
dc.subjectstresse pós-traumáticopor
dc.titleEstudos de validação da escala de evento traumatico –parto, na realidade das mulheres angolanaspor
dc.typemasterThesispor
thesis.degree.nameDissertação de Mestrado em Psicologia. Psicologia Clínica e de Aconselhamentopor
dc.subject.fosDomínio/Área Científica::Ciências Sociais::Psicologiapor
dc.identifier.tid201850052por
dc.date.embargo2021-02-06-
Appears in Collections:DPS - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertaçao Aurora Kassongo 123 (1)(1).pdf1.13 MBAdobe PDFView/Open    Request a copy


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.