Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/3305
Title: O fim da Guerra Fria foi um desastre estratégico para Portugal?
Authors: Reis, Bruno Cardoso
Keywords: Portugal
Pós Guerra-Fria
Crise global financeira
Grand Strategy
Issue Date: 18-Nov-2011
Publisher: OBSERVARE. Universidade Autónoma de Lisboa
Abstract: Um político importante português classifi cou o fi m da Guerra Fria como “O Maior Desastre Nacional para Portugal desde a derrota de Alcácer Quibir em 1578”. Pretendia dizer com isso que um determinado modelo estratégico a partir do enorme investimento europeu na modernização de infra-estruturas materiais e, em menor grau, em capital humano, teria feito de Portugal a porta de entrada barata e ideal para o investimento estrangeiro na CEE na década de oitenta. Contudo, o colapso do modelo comunista e a globalização do capitalismo tornou o modelo de mão-de-obra barata para Portugal insustentável. A isto podemos acrescentar o facto de Portugal se ter tornado cada vez mais periférico do ponto de vista estratégico. A adesão à NATO e à UE após 1989/1991 tornou-se menos exclusiva e um privilégio menor. O impacto diferencial da entrada no Euro, assim como o da liberalização do comércio global e de capitais, tornou Portugal ainda mais marginal. Após 1989/1991, Portugal ou a Grécia podiam ser autorizados a falhar de uma maneira que não acontecera antes – já não podiam continuar a ser encarados como prova do fracasso do modelo ocidental, como uma fenda potencialmente perigosa no muro que separava os dois blocos da Guerra Fria. O colapso da Jugoslávia podia ter sido visto como um exemplo precoce e extremo de um problema mais amplo da periferia da nova Europa e Ocidente do pós-Guerra Fria. Assim, que podemos fazer? Fazer uso máximo das nossas fraquezas, do risco sistémico mais amplo que o Euro criou juntamente com os inventivos distorcidos que foram parcialmente responsáveis pela crise. Mas para isso, especialmente em tempos de grande incerteza e risco, devemos ter uma estratégia, e uma que não assente unicamente em austeridade pura e num mítico Estado mínimo, ou num conceito autárquico albanês. Temos que nos atrever a propor algumas medidas sustentadas por algum apoio externo para sairmos da crise, reforçar a governança da Europa, tornar as Finanças menos altaneiras, e oferecer incentivos a médio prazo em troca de sacrifícios a curto prazo. Uma Estratégia nacional e Europeia não é um luxo, mas, mais do que nunca, uma necessidade. Por último, mas não menos importante, a segurança não é um luxo neste contexto, e pode ser transformada numa mais-valia estratégica de forma mais ou menos óbvia.
Peer reviewed: yes
URI: http://hdl.handle.net/11144/3305
ISBN: 978-989-8191-53-3
Publisher version: http://observare.autonoma.pt/conference/images/stories/conference%20images%20pdf/S1/Bruno_Reis.pdf
Appears in Collections:I CONGRESSO INTERNACIONAL DO OBSERVARE

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Bruno_Reis.pdf216.84 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.