Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/3298
Title: A economia cosmopolita global, o euro e a economia portuguesa
Authors: Farto, Manuel de Jesus
Keywords: Economia cosmopolita
euro
economia portuguesa
desequilíbrio
deflação competitiva
política macroeconómica
sustentabilidade da dívida
integração
Issue Date: 18-Nov-2011
Publisher: OBSERVARE. Universidade Autónoma de Lisboa
Abstract: O fantasma de Friedrich List percorre a Europa do Sul. Este autor estava persuadido que um país signifi cativamente menos desenvolvido não poderia abater todas as suas defesas perante a concorrência dos mais desenvolvidos sem consequências dramáticas para a produção, emprego e desenvolvimento. A política comercial constituiu a primeira fronteira, utilizada habilmente por muitos países, hoje desenvolvidos, como a própria Alemanha ou os NICs. Uma segunda linha de defesa pode encontrar-se na hábil gestão de uma moeda no sentido de uma depreciação competitiva. Num contexto de ausência das duas linhas de defesa referidas, política comercial e política monetária, a economia portuguesa desenvolveu na última década um conjunto de desequilíbrios que conduziram a níveis de produtividade e competitividade insufi cientes para concorrer com a dinâmicas internacionais da globalização e do euro e que se manifestam, designadamente, num crescimento anémico, graves défi ces externos e orçamental e dividas explosivas externa e pública. O nosso propósito é o de procurar responder a um conjunto de questões relacionadas com a natureza da crise e as características da integração da economia portuguesa designadamente: a) o desequilíbrio existente corresponde a uma situação nova (e em quê?) ou tem semelhanças (e quais?) com situações vividas em décadas anteriores por vários países em vias de desenvolvimento? b) a economia portuguesa é sustentável nas presentes circunstâncias de integração e dívida? c) a defl ação competitiva, anteriormente obtida através de uma taxa de câmbio convenientemente depreciada, pode (e até que ponto?) ser substituída por uma defl ação fi scal, salarial ou redução de custos associados aos bens não transaccionáveis? d) a fl exibilização do mercado de trabalho e a depreciação do valor do trabalho, em implementação actualmente, conduzem a um rumo de crescimento ou a um círculo vicioso de empobrecimento e deterioração da coesão social com efeitos potencialmente implosivos? e) qual a natureza e limites da política macroeconómica no contexto de integração actualmente existente? f ) haverá campo para políticas alternativas ou complementares?
Peer reviewed: yes
URI: http://hdl.handle.net/11144/3298
ISBN: 978-989-8191-53-3
Publisher version: http://observare.autonoma.pt/conference/images/stories/conference%20images%20pdf/S2/Manuel_Farto.pdf
Appears in Collections:I CONGRESSO INTERNACIONAL DO OBSERVARE

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Manuel_Farto.pdf205.33 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.