Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/3258
Title: Chipre: De Conflito Intra-estadual a Problema Diplomático Internacional
Authors: Amaral, Joana Veloso
Brandão, Ana Paula
Keywords: Chipre
Mediação Internacional
Peacemaking
Issue Date: 16-Nov-2011
Publisher: OBSERVARE. Universidade Autónoma de Lisboa
Abstract: Cinco décadas decorreram desde o espoletar do confl ito cipriota. Apesar da ausência de episó- dios de violência, o como e o porquê de a reunifi cação não ser ainda uma realidade permanece o principal problema a resolver e a questão em torno da qual o debate prospectivo acerca de uma solução para a questão do Chipre se centra. Confl ito, defi nido como estado de guerra aberta, não ocorre no Chipre desde 1974, no entanto subsiste no seu estado psicológico e sociológico, tendo vindo a constituir-se um importante problema para o qual a comunidade internacional procura solução. Porque os nacionalismos cipriotas não procuram a independência mas a união de território com a Grécia e a Turquia, o arranjo consocionalista de partilha de poder gerado aquando da independência veio inculcar o elemento étnico na estrutura política do país. O Chipre pós-colonial constitui-se um Estado mas não uma Nação. A guerra, por seu lado, institucionalizou a relação adversarial e de desconfi ança entre comunidades, a qual se impregna no processo de paz enquanto as comunidades disputam apoio para a sua causa na esfera internacional. Iniciativas de mediação levadas, sobretudo, a cabo pelas Nações Unidas, mas também pelos Estados Unidos, têm evitado a re-escalada do confl ito mas, no entretanto, a UNFICYP transforma-se numa das mais longas missões de paz e um acordo de paz continua sem existir. As comunidades que fundaram a República do Chipre em 1960 vivem hoje em total separação geográfi ca. A sul da “Green Line”, a República do Chipre permanece sob governação exclusiva dos cipriotas gregos desde 1963 e, a norte, os cipriotas turcos administram a auto-proclamada República Turca do Norte do Chipre (RTNC) desde 1983. O Chipre assumirá a presidência da UE no segundo semestre de 2012 quando, desde a recusa do “Annan Plan” em 2004, apenas o sul cipriota grego tem usufruído da condição de EstadoMembro. Entretanto, a adesão da Turquia e da RTNC assume-se como a questão central das negociações de paz, alongando o caminho para chegada a uma solução.
Peer reviewed: yes
URI: http://hdl.handle.net/11144/3258
ISBN: 978-989-8191-53-3
Publisher version: http://observare.autonoma.pt/conference/images/stories/conference%20images%20pdf/S1/Joana_Amaral_Ana_Paula_Brandao.pdf
Appears in Collections:I CONGRESSO INTERNACIONAL DO OBSERVARE

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Joana_Amaral_Ana_Paula_Brandao.pdf329.68 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.