Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/3238
Title: Portugal - como navegar evitando os escolhos da crise sistémica
Authors: Rato, Helena
Keywords: crise sistémica
Portugal,
estratégia
conhecimento
cooperação
Issue Date: 16-Nov-2011
Publisher: OBSERVARE. Universidade Autónoma de Lisboa
Abstract: Vivemos uma crise que é sistémica porque: atinge os principais sectores de actividade, engendrando um círculo vicioso em que as disfunções do sistema se auto alimentam e se auto propulsionam, a economia deixou de ser um factor orientado para a criação de bemestar e de coesão social, as políticas económicas orientam-se por dogmas que ameaçam os alicerces do próprio sistema democrático, o investimento financeiro deixou de privilegiar o aumento de ganhos de produtividade passando a priorizar os ganhos especulativos, um dos princípios básicos da economia capitalista, a saber, o lucro é a contrapartida do risco, foi pervertido com a nacionalização das enormes e incontroláveis perdas registadas pelos grandes grupos financeiros privados, o retorno do investimento em capital humano está a ser desperdiçado, a ordem jurídica internacional, factor de sustentabilidade da cooperação, da paz e dos direitos humanos está a ser continuamente violada. Portugal, país periférico no contexto europeu, continuando a apresentar diversos desequilíbrios estruturais que dificultam a progressão para o desenvolvimento sustentável, registou nas últimas duas décadas avanços notáveis, em particular, no âmbito da construção de infra-estruturas e da formação de capital humano e, embora menos visíveis, no desenvolvimento do potencial científico, na capacidade de inovação tecnológica e nas energias renováveis. Contudo, estes avanços e os benefícios daí decorrentes estão ameaçados pela lógica economicista, de tipo neo-colonial, imposta pelo directório dos países dominantes na sequência da crise sistémica cujo eixo fulcral teve origem nesses mesmos países. Numa perspectiva estratégica, Portugal tem dois principais eixos de actuação para fazer face às ameaças: contribuir para a identificação da génese da crise sistémica a fim de se identificarem as políticas adequadas à sua resolução, desenvolver a cooperação com os países que têm conseguido navegar, evitando os escolhos que conduziram à crise.
Peer reviewed: no
URI: http://hdl.handle.net/11144/3238
Publisher version: http://observare.autonoma.pt/conference/images/stories/conference%20images%20pdf/S1/Helena_Rato.pdf
Appears in Collections:I CONGRESSO INTERNACIONAL DO OBSERVARE

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Helena_Rato.pdf248.43 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.