Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/2694
Title: E depois da reforma, sair ou não sair? A gestão da idade em contexto de trabalho.
Other Titles: And after retirement, to leave or not to leave? Age management in the workplace.
Authors: Piteira, Maria Margarida Cróca
Keywords: envelhecimento ativo
políticas de ativação
práticas GRH
active aging
HRM practices
policies of activation
Issue Date: 2014
Publisher: Ediual
Abstract: As transformações demográficas que caraterizam as últimas décadas e as atuais projeções adivinham grandes implicações para o mundo do trabalho. Os presentes modelos organizacionais e de trabalho estão a ficar obsoletos devido a estas novas dinâmicas. Empregadores e empregados têm de começar a encontrar estratégias alternativas face à emergência do fenómeno do envelhecimento ativo. O presente trabalho tem como objetivo apresentar pistas para a reflexão da problemática do envelhecimento ativo, em contexto de trabalho. Elencam-se alguns modelos teóricos e concetuais, desenvolvidos pelas investigações neste domínio. Discorre-se sobre as perspetivas dos trabalhadores mais velhos e das organizações, na decisão de trabalhar, após a idade legal da reforma. Adicionalmente, focam-se as práticas de recursos humanos associadas ao fenómeno, bem como algumas formas de intervenção sugeridas pelos estudos da área. Por fim, apresentam-se algumas evidências empíricas ao nível mundial; finalizando-se,com uma tentativa de diagnóstico da situação “envelhecimento ativo” em Portugal, indicando-se as principais políticas de ativação, com base em dados dos últimos anos. Este trabalho pretende ser um estudo descritivo, de base teórica, e sustentado por evidências empíricas; oscilando entre a descrição e a prescrição, de acordo com as recomendações práticas das investigações referenciadas.
The demographic changes which have defined the past decades, as well as current projections, anticipate major implications for the working world. Existing organizational and work models are becoming obsolete due to these new dynamics. Employers and employees must find alternative strategies in view of the emergence of the active aging phenomenon. The current study aims to provide cues for reflections on active aging issues in the workplace. Theoretical and conceptual models developed by research in this area are presented. Perspectives from older workers and organizations on the decision to continue working after the statutory retirement age are discussed. Furthermore, human resource practices connected to this phenomenon and some forms of intervention suggested by studies in the area, are described. Finally, some empirical evidence at a global level is presented; lastly, an attempted diagnosis of “active aging” in Portugal is presented, indicating the key policies of activation, based on data from recent years. This work intends to be a descriptive study with a theoretical basis, and supported by empirical evidence; balancing between description and prescription, according to the practical recommendations of the referenced research.
Peer reviewed: yes
URI: http://hdl.handle.net/11144/2694
ISSN: 1647-2284
Publisher version: http://journals.ual.pt/psique/
Appears in Collections:EDIUAL - PSIQUE. Vol. 10 (2014)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
E depois da reforma, sair ou não sair.pdf868.59 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.