Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/2463
Title: Arquitectura da contradição : construir o frágil . Um refúgio na ilha da Berlenga
Authors: Rosado, Maria Luís Pires Epifânio Prates
Orientador: Mateus, Francisco Aires
Moreno, Joaquim
Keywords: frágil
ilha
viagem
mar
Issue Date: 14-Dec-2015
Abstract: Uma ilha é, por definição, um corpo de terra rodeado por água. Uma ilha é um lugar necessariamente alternativo, separado e isolado pelo seu contorno. Construir numa ilha pressupõe uma deslocação. Como afima Gilles Delauze “já não é a ilha que se separou do continente, é o homem que estando sobre a ilha encontra-se separado no mundo” A ilha implica sempre um viagem, seja ela mental ou física. Neste sentido, a tese assume, metaforicamente, a estrutura de uma viagem até à ilha: parte-se da ideia para a matéria, do branco para o preto, do continente para a ilha. O inicio da viagem começa com uma dedução: a partir da noção abstracta de fragilidade propõe-se chegar a consequências directas, tangíveis, reais e arquitectónicas. A arquitectura, a que se vai chamar frágil, é definida e ao mesmo tempo generosa, é um produto de conflito e uma descontinuidade; é um cessar-fogo ténue entre o absolutismo de uma ordem pré-existente e o anarquismo do caos.
Peer reviewed: no
URI: http://hdl.handle.net/11144/2463
Appears in Collections:DA - Dissertações de Mestrado
BUAL - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE Maria Prates.pdf127.19 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.