Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11144/1857
Title: Cosmovisão e biomedicina na Guiné-Bissau. Leituras à depressão
Authors: Pereira, Maria Natália Azevedo
Orientador: Hipólito, João
Nunes, Odete
Keywords: Cultura
psicologia transcultural
estados depressivos
tratamentos
Issue Date: 3-Jun-2015
Abstract: As representações das doenças, assim como, a forma como doentes e familiares experienciam estes episódios, é um tema muito rico e interessante, que tem merecido a atenção de diferentes áreas científicas. Diversos investigadores têm demonstrado que a vivência e tratamento das doenças está ancorada na cultura tanto dos pacientes como dos familiares e dos agentes da saúde. Apesar de este ser um campo bastante estudado a nível internacional, na literatura portuguesa são ainda escassos os estudos na área da psicologia transcultural. Este foi um dos grandes desafios para a elaboração deste trabalho, onde se procurou explorar a relação entre a cultura e a depressão. Para o efeito, conduzimos esta investigação em Bissau, onde o mágico e a biomedicina têm espaço para interagir no sentido da complementaridade visando a cura do paciente. Uma amostra de 40 pacientes foi avaliada no que se refere à depressão ( Self Reporting Questionnaire - SRQ-20) e à perceção cultural da doença (Questionário sobre o modelo explicativo da doença). Os participantes foram acompanhados na sua vida quotidiana, de forma a conhecermos e percebermos a sua realidade e dinâmica familiar. Os participantes foram agrupados pelos diferentes sistemas de tratamento a que recorreram, biomedicina, psicólogo e curandeiros e 10 optaram por não terem qualquer tratamento. Ao fim de três meses foram todos novamente avaliados no que se refere à depressão, tendo-se verificado uma melhoria em relação à depressão em todos os grupos. O grupo que optou pelo tratamento tradicional, ou seja com curandeiros, foi o que apresentou valore s mais elevados de depressão em t2, ultrapassando mesmo o grupo que não teve tratamento. Os grupos que optaram pelo biomédico e pelo psicólogo apresentaram níveis mais baixos de depressão, apesar das diferenças não serem estatisticamente significativas. Na relação entre religião e depressão foram encontradas diferenças estatisticamente significativas em t2, sendo o grupo de crenças cristãs quem apresentou níveis de depressão significativamente mais baixos, comparado com o grupo muçulmano e o grupo animista. Os resultados indicam que a cultura tem uma forte influência na perceção da doença, sublinhando a importância da alteração das condições envolventes, particularmente as relações familiares, para ser possível uma melhoria no estado psicológico dos pacientes, assim como, que esta melhoria pode acontecer sem a utilização de antidepressivos. Para finalizar fazemos uma reflexão sobre os resultados obtidos e limitações, referindo os possíveis contributos deste trabalho para futuras investigações.
Peer reviewed: no
URI: http://hdl.handle.net/11144/1857
Appears in Collections:DPS - Teses de Doutoramento
BUAL - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese.pdf6.21 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.